667.

Publicado em 01/mai/2014 por .

10

Quando, em meio ao silêncio constrangedor dos nossos atletas, o árbitro terminou o primeiro tempo depois de apenas 60 escandalosos segundos de acréscimos e retirou-se em paz, anunciávamos a ele, solenemente, de que com cordeiros tratava. Sentiu-se forte e livre para anular um gol que, em ambiente hostil, não seria sequer questionado.  
 
Não sou da turma que acredita que futebol se ganha apenas jogando bola. Meu credo é outro, esquecido como uma língua morta.

Culpa de quem joga, de quem escala e, principalmente, de quem os contrata. Merecemos perder.

Comentários (10)

Endershow.

Publicado em 30/mar/2014 por .
Tags:

7

Receber torcida visitante na Arena é dar amém pra vandalismo. Clássico nunca foi clássico pela presença, nem deixará de ser, pela ausência da torcida adversária em estádio. Mas enfim, teve gremista fazendo campanha pela presença dos miguxo. Não vivemos num país civilizado, meus caros. Desconhecemos, inclusive, a divisão dos três poderes. E lá vamos nós juntar os cacos e repor estragos.

Torcedor do Grêmio não é racista. Não mais do que colorados. Mas é mais panaca. São os torcedores do próprio Grêmio a fazer campanha contra “‘cânticos racistas’ porque vai que malinterpretem, sabecoméqueéné?”, vai que o clube que tem um macaco de nome Escurinho como mascote resolva ficar magoado e peça para eliminarmos a estrela do Everaldo na nossa bandeira… E sabem o que é pior? Teria torcedor do Grêmio a aplaudir.

Eu olho pro Endershow e penso que é o tipo de cara que pensa que futebol se ganha apenas jogando bola. Ou que tudo se resuma às quatro linhas. E assim seguimos.

Quantas vezes pedi mais Grêmio ao Grêmio? Mais memória? Mais apego pela história?

Errado estou eu.

O Endershow são os 13 gols do Barcos no Novelletão. Os dois cruzamentos corretos do esforçado Parázin. Todas as bolas nas costas do Werley, os dois Grenais dados de bandeja numa Arena que desconhece vitória, o gol achado pelo Rhodolfo na Argentina. Êxito e glória.

Pensando no nosso histórico na Colômbia, desligo.

Comentários (7)